Perspetivas do Mercado Farmacêutico Brasileiro para 2020

“O Brasil, sem dúvida, oferece grandes oportunidades de desenvolvimento para as Empresas da Indústria Farmacêutica e de Saúde globais”, disse o ex-ministro da Saúde Ricardo Barros na entrevista de fevereiro de 2018, “e esperamos ganhar a confiança de um número crescente de investidores internacionais e trabalhar em conjunto para melhorar os produtos e serviços de saúde disponíveis para nossos 207 milhões de cidadãos brasileiros.” Na sua ambição de fortalecer ainda mais o relacionamento em que todos saem ganhando com a indústria global, o Brasil possui um ativo precioso e atraente: o notável dinamismo de seu enorme mercado farmacêutico.

Com essa sentença na cabeça, hoje queremos dizer que Ricardo Barros estava certo no momento em que disse isso. Porque agora estamos em 2020 e muito poucos dos maiores mercados farmacêuticos do mundo cresceram a um ritmo sustentado nos últimos anos como o Brasil, que orgulhosamente se destaca como um dos mercados com melhor desempenho do mundo.

Portanto, se você está procurando um país para expandir seus negócios, o Brasil pode ser apenas a resposta.

O Brasil é um mercado maduro e robusto, oferecendo excelentes oportunidades de crescimento para as empresas. Também faz parte dos mercados emergentes – ou em desenvolvimento – que incluem grandes economias como os BRICs: Brasil, Rússia, Índia e China.

Quando nos aprofundamos um pouco mais no setor de saúde em todo o mundo, as previsões permanecem quase as mesmas, de acordo com a Deloitte, os gastos globais em saúde devem crescer 4,2% ao ano, de US $ 7,1 trilhões em 2015 para US $ 8,7 trilhões neste ano de 2020.

 

Apesar desses números em todo o mundo, devemos olhar especificamente para o Brasil, pois é considerado o mercado de saúde mais lucrativo da América Latina, com uma classificação consistente entre os cinco principais destinos globais do turismo médico.

O país atrai uma variedade de turistas médicos para aproveitar a bem-sucedida e reconhecida indústria de cirurgia plástica de renome mundial.

 

Agora, em 2020, as pessoas têm uma melhor situação financeira e, depois disso, também melhores padrões de vida, de modo que os gastos com saúde no país aumentam continuamente, o que está impulsionando o setor de saúde.

 

Entre os setores da saúde, o mercado farmacêutico no país testemunhou um tremendo crescimento, especialmente o mercado de medicamentos com receita médica, no entanto, o segmento de medicamentos genéricos deve se sair bem no futuro.

Com base nas informações da auditoria do mercado farmacêutico, o IQVIA, o mercado brasileiro de medicamentos em 2018 registrou um crescimento real de 11% em relação ao mesmo período do ano anterior, representando aproximadamente 2% do mercado mundial.

Com vários fatores, como o aumento do vencimento de patentes e o maior envolvimento de empresas genéricas no Brasil, prevê-se que o segmento seja o principal fator de crescimento do mercado farmacêutico no país. Além disso, a inovação e melhorias no setor de equipamentos médicos têm sido consistentes no Brasil.

O setor farmacêutico brasileiro passou por uma grande expansão e modernização nos últimos 15 anos. O Brasil possui agora uma indústria bem estruturada, com equipamentos modernos e robustos e os mais importantes grupos farmacêuticos globais atuam neste país, como Sanofi, Novartis, Roche, GSK, Pfizer e outros.

O principal avanço no setor foi a criação da Agência Nacional de Inspeção Sanitária (ANVISA) em 1999, que contribuiu para o aumento dos níveis de qualidade e o reconhecimento internacional da indústria farmacêutica brasileira. Houve casos de indústrias aprovadas pela FDE (Agência Federal de Repressão às Drogas), dos Estados Unidos, que foram reprovadas pela ANVISA.

A implementação da Lei de Patentes e a regulamentação dos medicamentos genéricos seguiram a legislação mais rigorosa existente em todo o mundo. Atualmente, um medicamento genérico produzido no país tem os mesmos padrões de qualidade exigidos pelos reguladores na Europa e nos Estados Unidos.

As fábricas brasileiras têm agora, qualidade comparável à dos EUA e Europa, com processos muito modernos, e o Brasil só começou a participar efetivamente no mercado internacional e a ser um ator mundial a partir do momento em que começou a aplicar as regras de qualidade, eficiência e cuidados adotados em todo o mundo.

O Brasil emergiu como um polo global de manufatura para empresas farmacêuticas e de biotecnologia, com países como a Índia investindo fortemente no setor manufatureiro depois que o ex-ministro da Saúde do Brasil, José Serra, convidou investimentos de empresas genéricas.

O mercado está em franca expansão com o Sistema Universal de Saúde, o crescimento da população idosa, o enorme investimento em pesquisa e desenvolvimento de novos medicamentos, a redução do tempo no processo de aprovação da fabricação, o aumento dos gastos com saúde do governo, aquisições de marcas para expansão em diferentes regiões e segmentos, juntamente com a renda per capita de indivíduos no Brasil.

Apesar de ser um mercado muito atraente para investir em termos econômicos, o Mercado Brasil é um mercado muito regulamentado e altamente rigoroso quando você deseja começar a vender um medicamento neste país.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) supervisiona as aprovações de medicamentos. A agência também é responsável por estabelecer regulamentos aplicáveis a ensaios clínicos e precificação de medicamentos, realizados pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED). O CMED é o principal tomador de decisões sobre preços de lançamento e controla o aumento no preço máximo de varejo aprovado dos medicamentos estabelecidos.

Além de alguns obstáculos regulatórios, um número recorde de novos concorrentes entrou recentemente no mercado brasileiro. Se você não está preparado para o sucesso no Brasil, todos esses fatores se combinam para criar um coquetel de confusão no acesso ao mercado, tão forte quanto uma caipirinha na praia de Ipanema.

Diferenças entre os requerimentos Regulatórios de Farmacovigilância na América Latina